Monthly Archives: Julho 2013

Toca e foge

– Sinto-te na minha cintura.

– Mas… se não te estou a tocar!

– Quando tocas, sinto. Quando não estás aqui, sinto ainda mais.

– Isso não faz sentido. Não deveria ser ao contrário?

– Os braços são basculantes, consigo mimar a volta do teu corpo. Os dedos são oponíveis, consigo procurar a curva da tua anca. Mas a cintura é direccionada. Quando não estás aqui, procura-te. Quer-te. Torna-se bélica e tenta alcançar-te. É sentido único. É este o sentido.

– Bélica? Mas isto é algum conflito?

– A guerra é a extensão da política quando se acaba a diplomacia. E por vezes há diplomacia a mais na guerra dos géneros.

– Outra vez o conflito…

– Lutar é como fazer sexo. É invadir o espaço de alguém. É a carne contra a carne. E também há libertação de hormonas…

– Alto lá. Parem esse baile. Mas agora estás a falar de sexo?

– Desde o princípio. As conversas mansas já cansam. Os homens acham sempre que as mulheres precisam de amor.

– Pois. Também nunca gostei desses rótulos. Acham que somos pára-raios emocionais e tentam consolar-nos com um Nunca te vou desiludir ou Ficas bem com qualquer roupa ou até o clássico Sou bom ouvinte… As mulheres são para ser vistas e não ouvidas.

– Mas olha que até ficas bem com qualquer trapinho de Domingo de manhã. Excepto fatos de treino. Isso é que não deveria fazer parte de nenhum closet feminino digno desse nome.

– Mau! Afinal não é sentido único, que a tua conversa agora vai ao contrário. Já te disse que não quero psicanálise e positivismo. Mas tens razão quanto aos fatos de treino.

–  Estava exclusivamente a falar sobre roupa. Se fosse sobre ti, teria atirado um cliché qualquer sobre sorrisos.

– Já dizia a música: you’re never fully dressed without a smile. Uma espécie de gato de Cheshire da indumentária. E esse sim, precisava de uma chaise longue e umas horas de conversa a entrar naquela cabeça.

– És, portanto, impecavelmente bem vestida, mas impenetrável.

– Ahhh então isto foi tudo falinha mansa para dizeres que me queres foder?

– Apenas disse que te sinto. Puxas-me pela cintura. Nunca gostei desses rótulos…

 

Gonçalo Fortes

 

gravitationalpull

Anúncios

Aberto até de madrugada

Nunca acredites no que um homem te diz durante a noite. Acredita no que um homem te diz durante o dia, mas à noite não.

Tremia sempre que ouvia o início desta frase. Um amigo de família, 10 anos mais velho, tomara para si a missão de lhe estragar todos os engates. Largava a bomba da dúvida e seguia caminho, beber o álcool que carregava e rir com os amigos à conta do rapazola. O rapazola lá ficava, a tentar recuperar o encanto perdido e confirmar o que já tinha dito. Às vezes dizia Amo-te, que o amigo tinha razão e tudo é válido para deixar cair aquele vestido leve, cheirar mais perto aquele perfume, intimidade da pele com pele, tocarem lábios e ventres.

Agora, anos mais tarde, percebe-a bem. À frase, não à rapariga daquela noite. Viveu-a vezes sem conta, o treino do Amo-te serviu para alguma coisa, todas as mulheres são objectos de luxúria e todos os dias têm uma noite.

Até que uma te provoca o dia! Dizes sim e não há escuro para te esconderes. As estórias assustadoras começam à noite, mas nunca niguém contou que o Sol faz escaldões, expõe borbotos, destaca manchas, poros e almas. E nada é mais excitador do que deixares espreitarem cá para dentro. Verem se é no dia que está a verdade. Dizes sim e vestes-te de nudez, os borbotos e as manchas deixam de ser problema…

Três da tarde, toca o telefone. Ela:

Queres beber um copo daqui a pouco?

Quero. Às 23h está bem para ti?

 

Gonçalo Fortes